A História do Templo das Águas se inicia no ano de 1979, Mãe Elisa ainda uma menina com apenas 14 anos, começa sua trajetória dentro da religião, ainda sem muito compreender o que poderia vir adiante, viu-se sendo obrigada a procurar ajuda após uma brincadeira com sua colega.

Ambas caminhavam juntas, quando por acidente esta sua companheira caiu e tropeçou em uma encruzilhada vindo a se sujar toda, a mesma retornava de seu serviço e estava com suas vestimentas brancas, achando aquele fato engraçado eu não consegui conter o riso e isso causou revolta na minha colega que me praguejou naquele momento me desejando muito mal. Retornando a sua casa, a mesma relatou a sua mãe o fato ocorrido que por sua vez também ao me procurar reforçou o desejo de que maldade cairia sobre a minha vida.

Quando eu relatei o fato ocorrido a minha mãe finada Dona Irene a mesma pede para que eu vá até a vizinha da casa da frente que era benzedeira, para que realizasse um benzimento sobre mim e livrasse este mal que me foi desejado e para a surpresa maior, essa mesma senhora disse algo que mudou totalmente minha vida a partir daquele dia em diante.

Ela relatou que eu tinha um Caboclo muito forte e que ele iria me proteger, porém este mal a mim desejado afetaria alguém da minha família e assim foi o ocorrido, vindo a me fazer procurar por ajuda e compreensão eu fui até a casa da finada Madrinha Maria Mota.

Ao adentrar em uma das sessões sentei na assistência do terreiro e adormeci, acordei assustada com um enorme Caboclo o Senhor Sete Flechas me chamando para tomar Passe e foi ali que ele me girou pela primeira vez. Neste dia iniciou minha Caminhada e meu Desenvolvimento Mediúnico.

No começo não levava muito a sério tudo aquilo, duvidava das incorporações das pessoas, fazia até traquinagens, porem com os desenvolvimentos fui amadurecendo e minha primeira incorporação foi o Caboclo Pena Branca, um Caboclo muito Forte, porem após as incorporações eu não recordava nada, tinha algumas vidências porem me faltava compreensão, mais ao longo do tempo eles foram mostrando que este seria meu caminho e que eu precisaria dar continuidade na minha caminhada.

Depois de receber meu Caboclo e fortalecer o trabalho com ele, outros guias foram se aproximando, consegui receber meu Exu, Pretos-velho, ao longo de 3 anos já recebia baianos e Ere, sempre com muita paciência seguia minha caminhada, a casa da Madrinha era longe, íamos a pé eu e minha irmã Elisabeth que esteve sempre ao meu lado retornávamos tarde, porém com muita paciência eu ia aos desenvolvimentos e trabalhos e com 21 anos recebi Marinheiro, Zé pelintra e Boiadeiro. Minha Madrinha veio a falecer e após a morte dela, percorri vários caminhos para dar continuidade no desenvolvimento e na minha missão, após muita luta e muito fortalecimento comecei a desenvolver em um dos cômodos da casa da minha mãe.

Com muita simplicidade e carinho ela cedeu um espaço para que eu recebesse meus guias, montamos um Altar e aos poucos as pessoas começaram a procurar ajuda e frequentar a assistência. O cômodo tornou-se pequeno e com o passar do tempo e com ajuda dos consulentes e doações, construímos um pequeno quartinho onde recebia ali nas segundas, quartas e sextas-feiras.

Sempre com uma linha de trabalho segui os atendimentos até o ano de 2003, quando parei com meus trabalhos e retornei apenas no ano de 2012.

Nesses 9 anos que me mantive afastada de meus Guias, meu filho Tata Apananguê Júlio Cesar, foi quem com muito zelo e cuidado sempre em segredo cuidou de tudo, firmando velas e mantendo tudo guardado para o dia do meu retorno. Quando ele tinha apenas 3 anos de idade foi revelado pelo Senhor Marinheiro que ele deveria ser cuidado e foi firmado para Obaluaê uma quartinha e para minha surpresa foi exatamente ele quem cuidou de tudo nestes anos todos que estive ausente. Após uma grande decepção de trabalho, retorno a minha vida espiritual ao lado da minha família.

Para minha alegria meu filho cuidou de tudo nestes anos e conseguimos trazer tudo o que ele mantinha guardado e firmado em segredo naquele quartinho onde eu realizava os atendimentos. Montamos um altar no fundo da minha residência e apenas ao lado da minha família eu trazia meus guias para nos dar orientações e conforto. Os anos foram passando minha irmã Elisabeth sempre cambonando meus guias, o Adriano foi nomeado Ogã, dedicou-se a aprender tocar, comprou o primeiro Atabaque e deu início aos toques, comecei a desenvolver minha sobrinha e aos poucos outros filhos foram entrando também para corrente Mediúnica. Os consulentes foram aumentando a medida que as pessoas vinham ali e relatam as outras o meu retorno na vida espiritual e estas me procuravam para participar dos trabalhos.

Com o apoio dos filhos e da minha família conseguimos através de doações, venda de pizzas e rifas, derrubar o antigo barracão e a casa que era dos meus pais e dar início a construção do Templo das Águas de Yemanjá. A dedicação dos filhos foi fundamental neste período, doando ali não só a mão de obra, mais sim Amor. No ano de 2015 conseguimos terminar a Primeira parte do sonho e no dia 02 de Abril de 2015 realizamos nosso primeiro trabalho mediúnico onde hoje localiza nossa casa.

O templo hoje tem um total de 64 filhos e realiza anualmente várias ações sociais, tendo em vista que nossa religião não é somente atendimentos com os guias mais também auxilio a comunidade e aos necessitados.

A Feijoada Beneficente de São Jorge, projeto de lei defendida pelo nosso amigo Vereador Albuquerque, hoje atualizada passou a chamar Feijoada Beneficente de Ogum, realiza anualmente no mês de Abril revertendo parte da renda para casas Assistenciais: como o Asilo Casa do Caminho, Lar São Vicente de Paula, dentre outras.

A doação de Cestas básicas a famílias carentes mensalmente, mantimentos estes doados pelos filhos do Templo das Águas e apoiadores.

Projeto Mães Poderosas, que realiza o Acolhimento para todas as mães que sintam a necessidade de acolhimento que o projeto venha acrescentar, realizando palestras, rodas de conversa, café da tarde, artesanatos, danças, inserindo e proporcionando a elas a melhora de sua autoestima.

Cafés da Tarde no Asilo Casa do Caminho, trazendo uma tarde aos seus moradores com um pouco de diversão, os Filhos dedicam-se a manicure a moradoras, cantos, danças, rodas de conversas e apresentações.


Endereço:
Rua Padre Roma, 82
Jardim Monte Castelo
Marília – SP
CEP: 17524-360

Mais informações:
(14) 3417.1407